Focus group4

Focus group com técnicas dos Centros de Dia

img_8552

Ontem, recebemos no Fraunhofer Portugal AICOS um grupo de técnicas de instituições parceiras do COLABORAR para um focus group relacionado com o projecto Active@Home. Desta forma, promovemos o envolvimento dos profissionais que trabalham com idosos, para que a solução desenvolvida possa corresponder às suas necessidades e expectativas e possa ser aplicada nos seus contextos.

Três Centros de Dia/Convívio estiveram aqui representados. As suas directoras e técnicas deram-nos informações sobre os utentes de cada centro, uma vez que são elas quem melhor conhece as diferentes realidades no terreno. Assim, existem seniores que vivem nas suas casas e vão passar o dia no Centro de Dia/Convívio, outros seniores vivem em Lares de 3.ª Idade e outros ainda vivem nas suas casas e recebem assistência dos Serviços de Apoio Domiciliário. Estes diferentes grupos têm características e necessidades diferentes.

Apresentámos o projecto Active@Home, que visa criar jogos de exercício baseados em Tai-Chi e em movimentos de dança. Será uma nova e promissora forma de fazer exercício, porque consiste em jogos interactivos que combinam treino físico e cognitivo.

Este focus group foi muito interessante, uma vez que nos permitiu recolher informações importantes sobre este grupo-alvo, as suas preferências e principais dificuldades, assim como dicas e truques para aumentar a participação dos seniores em actividades físicas.

Experiências com alimentação e actividade física – Discussões em grupo

IMG_20160122_153524

É tempo de trabalho de campo! Estamos felizes por poder partilhar a notícia de que os investigadores do Fraunhofer Portugal AICOS continuam a investigação para o projecto SousChef. Desta vez, eles queriam saber acerca da dieta e exercício físico dos seniores e não existe melhor maneira de saber isso do que perguntar-lhes! Por isso, fomos até aos Centros e organizámos dois Focus groups, isto é, sessões de discussão em grupo. Num deles, reunimo-nos com algumas pessoas e fizemos perguntas relacionadas com experiências com dietas, barreiras e estratégias. Descobrimos muitas coisas acerca dos seus hábitos, crenças e sobre o que pensam sobre as recomendações médicas.

Aprendemos muito e passámos bons momentos juntos!

 

2000 actividades de investigação

Colaborar_2000_PT

Estamos muito felizes por anunciar que o COLABORAR completou recentemente 2000 actividades de investigação!

Isto representa um grande marco e estamos muito gratos a cada pessoa que contribuiu com o seu tempo e vontade em participar no nosso projecto. O número de actividades é proporcional ao aumento de conhecimento e experiência na área da Interacção Pessoa-Computador. Por conseguinte, cada vez fazemos melhor investigação com e para seniores e os nossos projectos são cada vez mais enriquecidos com estes conhecimentos.

O nosso muito obrigado! Vamos fazer mais e mais actividades, com a vossa preciosa colaboração, claro!

Grupo de discussão sobre sensores de usar junto ao corpo: participação dos seniores

IMG_20150604_105750

Os sensores de usar junto ao corpo parecem muito promissores na área da segurança, independência e bem-estar das pessoas idosas. Alguns problemas relacionados com os seniores, como as quedas e  as doenças crónicas, poderão ser minimizados, ou melhor geridos, num futuro próximo através destes pequenos dispositivos, desde que os idosos mantenham estes dispositivos junto ao corpo. Mas usar um dispositivo destes 24h por dia só será possível se for muito confortável e se os aspectos estéticos também forem tidos em consideração. E o que acham os seniores sobre isso? O melhor mesmo é perguntar-lhes. Por isso, o COLABORAR organizou um Focus group com alguns seniores para ajudar os investigadores a perceberem os seus pontos de vista.

“O aparelho resiste à água? Tem de ser um relógio ou uma pulseira para podermos usar mesmo quando estamos no banho.”

E como usariam um dispositivo destes na rua? Gostariam de um dispositivo que pudesse ser colocado na roupa?

“Se for pequeno, podemos prendê-lo na camisola.”

Não preferiam que fosse colocado no cinto?

“Não costumo usar cinto.”

E, assim, as ideias fluíram espontaneamente. Todos puderam expressar a sua opinião quanto às suas preocupações e expectativas relativamente aos sensores de usar junto ao corpo.

O COLABORAR agradece aos nossos amigos que participaram por aceitarem sempre os nossos desafios.